Still

Still

A recent project by Simone Trabucchi, who has been, for more than a decade, one of the most active and activist people in the independent underground music landscape of Northern Italy, specifically Milan, through his label Hundebiss, under his former alias Dracula Lewis, and through his commendable work as local promoter and thinker of music and communities. All this aggregated knowledge also helped him arrive at STILL: here, he fuses a very personal and non-appropriationist interpretation and fusion of Jamaican dancehall's metrics and shuffles, essentially in their more digital and electronic variant, a deconstruction of South African kwaito, aesthetics of the earliest of English grime, and other music from, let’s say, emotionally challenged communities. For his debut album, released by the Berlin cathedral PAN, he invited three Afro-Italian MCs (folks from Eritrea and Nigeria) as well as an Italo-Italian MC, in a post-Babylonian vision of the struggle. There are precedents in The Bug, for example, but, here, uncle Simone is discovering something that’s fresh, his – ours, for it is shared and suggests so many different forms of communication.


Projecto recente de Simone Trabucchi, das pessoas mais activas e activistas no panorama da música independente underground do Norte de Itália, mais especificamente em Milão, ao longo de mais de uma década, através da sua editora Hundebiss, do seu antigo alias Dracula Lewis, e de trabalho de mérito enquanto promotor local e pensador das músicas e comunidades. Foi desta agregação de saberes também que chegou a STILL: aqui, ensaia uma leitura e fusão muito pessoais e não-apropriacionistas de métricas e shuffles do dancehall jamaicano, essencialmente na sua vertente mais digital e electrónica, mas também do kwaito sul-africano desconstruído, estética do primeiro grime inglês, e outras músicas de comunidades emocionalmente desafiadas (digamos assim). Para o seu álbum de estreia, editado pela catedral berlinense PAN, convidou três MCs italo-africanos (pessoal da Eritreia e da Nigéria) e um MC italo-italo, numa visão pós-babilónica da luta. Há aqui antecedentes em The Bug, por exemplo, mas o tio Simone está a encontrar aqui algo de fresco, de seu – e nosso, porque partilhado e por sugerir tantas vias diferentes em comunicação.


Next Performances
5 October 2019 00:55 SIRB “Os Penicheiros"

Popular videos